terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sem teto de Porto Velho despejados

Mãe com criança fica sem o seu lar.
Morador ve impotente o trator destruir moradia.
Com os estertores finais dum governo estadual rejeitado pelas urnas, agora o governador João Cahulla está ordenando as forças policiais contra a população ordenando cumprir todo tipo de ordens de despejo.
A bola da vez foram oitenta famílias do Bairro Renascer, remanescentes do Airto Senna, na zona Leste de Porto Velho, Rondônia. 
Cumprindo ordens dos juízes José Jorge Ribeiro da Luz e José Gonçalves da Silva Filho, sob pedido de Teresa Hiromi Iguchi Sato, Augusto César Maia Pyles e Fertisolo Comercial de Máquinas e Equipamentos Ltda., empresa que comercializa em Porto Velho os tratores New Holland. Semanas atrás um dos gerentes da Fertisolo foi preso por porte ilegal de armas e formação de quadrilha, quando intimidava as famílias.
Sem aviso prévio, os moradores sem teto que não estavam presentes na área no momento do despejo viram destruir o seu lar e a maioria dos materiais de construção surrupiados pelos carregadores de caminhões chamados pelos pretensos donos.


Veja as fotografias do despejo.


Cano contamina o Rio Candéias


Vejam as fotografias do cano que ontem das 17-18 horas contaminava o Rio Candéias, ao final do Polo Industrial de Porto Velho (enfrente do Hospital das Irmâs Marcelinas). A CPT RO tem enviado denuncia deste fato ao Ministério Público Federal.





segunda-feira, 29 de novembro de 2010

VERDADEIRA OPERAÇÃO MILITAR PARA REINTEGRAÇÃO DE POSSE.


Quarta-feira, dia 24 de novembro o assentamento Flor do Amazonas amanheceu em polvorosa.
Sabia-se que haveria uma reintegração para aqueles dias.
Por ordens da justiça eram despejadas três famílias asssentadas no local pelo próprio INCRA.
A


 manhã de quarta-feira, teve início um desfile constrangedor: Um micro ônibus da polícia ambiental, uma caminhonete da polícia federal, uma viatura da polícia militar, um carro da polícia civil, um carro do corpo de bombeiros, e um micro ônibus da COE ( comando de operações especiais) e mais carro do oficial de justiça. Junto com eles em torno de 10 homens, alguns drogados e/ bêbados pagos pelo fazendeiro para destruir os barracos

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Madeireiro pobre se sente excluído de concessões de florestas em Rondônia

(da Folha de São Paulo) Ricardo Mioto
Madereiros na BR429 Foto cpt ro
Por trás do sistema de concessões de florestas está um órgão federal que conseguiu, ao menos até agora, ficar livre das indicações políticas. O diretor do Serviço Florestal Brasileiro, órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente que foi criado em 2006 para organizar as licitações e monitorar a atividade dos concessionários, é o engenheiro florestal Antônio Carlos Hummel, 54 anos, 27 de serviço público.
Sujeito simples e brincalhão, chama a todos de "rapaz". É do tipo que se torna o melhor amigo do garçom em minutos, sempre elogiando a temperatura da cerveja, e que brinca com o taxista comentando como é chique o celular de dois chips dele. Hummel participa das audiências públicas para a concessão de mais florestas para a iniciativa privada. A Folha foi a Candeias do Jamari, perto de Porto Velho, para acompanhar a audiência para concessão da Flona do Jucundá.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Quem financia nossos políticos

Informações aparecidas no site de Tudorondonia.com
Campanha de Cassol custou cerca de R$ 8 milhões
O ex-governador Ivo Cassol , do PP, senador eleito, fez a campanha mais cara entre os candidatos ao Senado e declarou ter arrecadado R$ 7.924.244,43.Na prestação de contas individual do senador eleito não constam doações de empresas. Cassol informou ter gastado do próprio bolso cerca de R$ 500 mil. Ele foi acusado pela Procuradoria Eleitoral de abuso de poder econômico e de ter realizado propaganda eleitoral em um show evangélico em Rolim de Moura.

Vejam as contas de outros candidatos.

Sem teto do renascer

XICO NERY Amazônias
PORTO VELHO, Rondônia – Famílias de sem-teto desempregados e autônomos do Projeto de Assentamento Urbano Renascer, na Zona Leste de Porto Velho, esperam que o governador eleito do Estado, o ex-prefeito de Ariquemes Confúcio Moura (PMDB) interceda a seu favor. Eles disputam mil metros quadrados de terras contínuas no entorno do Bairro Airton Sena, reclamadas pelo ex-governador Ângelo Angelim (PMDB), que atualmente mora em Vilhena, na divisa entre Rondônia e Mato Grosso.
As terras que somariam 20 mil hectares fazem parte do espólio da família Ribone, que possuía uma fazenda no local e transferiu-as para o município nos anos 1980-90, a fim de possibilitar o assentamento de famílias remanescentes das cheias do Rio Madeira (distritos de São Carlos, Nazaré, Santa Catarina e Calama), dos rios Jamari, Candeias e Machado, respectivamente, atingidos pelos impactos sanitários e ambientais causados pela construção da hidrelétrica de Samuel e obras adjacentes.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Santo Antonio Energia senta à mesa de negociação com MAB e atingidos em Porto Velho

Acampamento de atingidos em Agosto de 2109 
Nos dias 16 e 17 de novembro  o MAB - RO mobiliza 200 atingidos do PA Joana d' Arc pela barragem de Santo Antonio para dar continuidade às negociações com a Hidrelétrica.

Após assembléia do dia 16, os atingidos postaram-se na frente do escritório da empresa da manhã do dia 17 até às 14 horas do mesmo dia, gritando palavras de ordem, enquanto 4 lideranças do MAB, 20 lideranças das comunidades atingidas tentavam avançar nas negociações.

Estiveram presentes além das lideranças o superintendente e ouvidora agrária do INCRA  RO e uma representante do INCRA  nacional.

A hidrelétrica se comprometeu  a comprar a área de reserva legal do reassentamento em área contígua ao mesmo. Esta era uma bandeira de luta desde o início das reivindicações.

Situação agrária de Rondônia


Foto: Acampamento Marcos Freire II, Seringueiras
 Ontem na II Semana Acadêmica do Curso de Ciências Sociais da UNIR foi debatida Qüestão Agrária de Rondônia, com participação do Professor Jorge Coimbra, do pesquisador Alisson Diôni Gomes e representante da CPT RO.
Eles analisaram com precisão a evolução histórica da ocupação da terra no estado e as diversas etapas do avanço da colonização.
Em Rondônia a situação agrária continua sendo palco de conflitos e de violência, e centenas de famílias continuam sendo despejadas ou ameaçadas de despejo, a maior parte por órdens da justiça e a inoperância das autoridades.

Sem teto ameaçados em Porto Velho

Um grupo mais de quatrocentas famílias de sem teto do bairro Renascer, (ao lado do Airton Senna), está ameaçado de despejo.
Moveram o processo o grupo Fertisolo e o ex governador Ángelo Angelim, junto ao juiz José Jorge Ribeiro da Luz.
A Prefeitura estaria disposta a negociar os terrenos, porém alega que eles estão pedindo um preço exagerado.
Enquanto isso, segunda feira passada o dono da Fertisolo intentou retirar por conta as famílias. Outras vezes tinha derrubado as casas de madeira puxando com cordas na camionete e outros tiveram as casas derrubadas por trator sem ordem judicial.
Desta vez  apresentou-se com tres carros chéios de pessoal armado. A polícia foi accionada e conseguiu prender-lo.
Foto Chico Nery

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Primeira comunidade quilombola titulada em Rondônia

Depois de ter sido anunciado para 2008, e também para 2009, finalmente saiu o título da Comunidade Quilombola de Jessus, situada beira do Rio São Miguel, acima dos territórios quilombolas de Santo Antônio e vizinho dos indígenas miquelenos e puroborá.
A comunidade de Seu Jesus tinha recibido forets pressões e ameaças dos fazendeiros que grilaram e hoje ocupam o Projeto Primaveira.
Boa parte dos castanhais e áreas de terra firme ficaram de fora de demarcação, e o território demarcado pega muita área de banhado. mesmo assim a comunidade estava feliç com a demarcação, a primeira de Rondônia, pois representa uma seguridade territorial e o fim do conlicto com os fazendeiros vizinhos. Recenetemente foi denunciado em florestas na região próxima o uso de defoliante lançado de avião.
RO - Incra entrega primeiro título de terra a comunidade quilombola de Rondônia