quinta-feira, 19 de maio de 2011

Desmatamento aumentou na Amazônia

O desmatamento aumentou na Amazônia. O governo deve divulgar a má notícia.  Especialistas relacionam o fato com as perspetivas de relaxamento ambiental do novo Código Florestal e pelo aumento do preço dos produtos de exportação agrícola. Segndo fontes do IBAMA, Mato Grosso lidera o ranking, e o desmatamento estaria fora de controle com 753,7 km2 de floresta derrubadas entre agosto de 2010 e abril deste ano. 

Quarta-feira, 18 de maio de 2011 Pág. 12
Amazônia: devastação está fora de controle em MT por Catarina Alencastro.
Área destruída é maior que Goiânia. Para técnicos do Ibama, motivo é expectativa de mudanças no Código Florestal BRASÍLIA. O desmatamento da Amazônia cresceu muito e está fora de controle em Mato Grosso, onde 753,7 quilômetros quadrados de floresta foram derrubados entre agosto de 2010 e abril deste ano. No período anterior, de agosto de 2009 a julho de 2010, o desmatamento em Mato Grosso tinha sido bem menor: de 661 quilômetros quadrados. A área destruída agora é maior que Goiânia. Como ainda faltam ser computados três meses, para fechar o período de análises do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que mede o desmatamento via satélite, o Ibama espera que a destruição ultrapasse 1.400 quilômetros quadrados, área maior que a cidade do Rio de Janeiro. Se confirmado, o número representará aumento de 53% com relação ao mesmo período do ano passado. Os números do desmatamento em toda a região serão divulgados hoje, em Brasília, pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Desmatamentos ostensivos, com uso de "correntões"
Técnicos do Ibama que trabalham nas operações de combate ao desmatamento dizem que as infrações vêm sendo cometidas devido à expectativa de mudanças no Código Florestal. Embora as negociações entre o governo e o relator da reforma do código estejam emboladas, a matéria está a um passo de ser votada no plenário da Câmara dos Deputados. O Ibama ficou espantado de constatar a presença de desmatamentos ostensivos, com o uso dos chamados "correntões". Os crimes ambientais estariam sendo cometidos com a intenção de abrir áreas que possam vir a ser legalizadas pela nova legislação. Preocupada com a situação, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, reuniu-se esta semana com o ministro da Casa Civil, Antonio
Palocci, para que o governo trace uma estratégia de divulgação da má notícia que não cause impactos para a venda da soja brasileira no exterior. A tese de quem está em campo acompanhando a crise é que osprodutores estejam desmatando para ampliar a produção do grão no estado. O aumento do preço das commodities estaria influenciando a decisão dos produtores de desmatar para plantar mais. Os novos desmatamentos fogem do padrão de derrubada da vegetação nativa registrada nos últimos anos. O município que mais desmatou no Mato Grosso foi Alto Boa Vista, que entre agosto de 2010 e abril deste
ano destruiu 97,6 quilômetros quadrados. No período anterior, a cidade tinha desmatado uma área residual, de apenas 3,5 quilômetros quadrados, um aumento de quase 100% em um ano. Nova Ubiratã também desmatou grande área: 85,9 quilômetros quadrados, seguida por Bom Jesus, onde 79 quilômetros quadrados de floresta viraram terra nua. Destruição em Mato Grosso pode ser maior . O desmatamento da Amazônia Legal será divulgado oficialmente pelo governo hoje. Os números fazem parte do sistema de detecção do Inpechamado Deter, que, por não pegar desmatamentos muito pequenos, é um indicativo do que está havendo na floresta. A medição definitiva é confirmada pelo sistema Prodes, que só sai em novembro, após checagem dos dados de todo o período analisado (agosto do ano anterior a julho do ano vigente). O Ibama trabalha com a tese de que o Deter detecta 70% do que o Prodes detecta. Sendo assim, no caso de Mato Grosso, além dos 753 quilômetros quadrados de desmatamento já registrados, seriam somados ainda 682 quilômetros quadrados desmatados até o final da medição, gerando total de 1.435 quilômetros quadrados derrubados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.