sexta-feira, 29 de maio de 2015

Ministro do MDA reuniu-se com movimentos sociais em Rondônia.

Ministro do MDA reuniu-se com movimentos sociais em Rondônia. foto fetagro

Movimentos sociais e sindicais do campo receberam o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, na noite do dia 28 de |maio de 2015 na sede do Centro de Formação de Agricultores/Fetagro para entrega e socialização de pautas de reivindicações de melhorias de vida e trabalho no campo. Presidente da Fetagro, Fabio Menezes, apresentou demandas, pontos centrais de politicas essenciais para a agricultura no Estado e destacou a satisfação com o momento e oportunidade.

O Ministro Patrus Ananias afirmou estar sintonizado com as demandas do campo apresentadas a ele, durante encontro com agricultores e agricultoras na noite desta quinta-feira, no Centro de Formação de Agricultores/Fetagro. Reforçou a importância da agroecologia, defendeu o cooperativismo para agregação de valores e valorização da produção agrícola, por meio da agroindustrialização. Ele também defendeu a ampliação de debates com os diferentes movimentos a partir das bases. Por fim, se comprometeu com as pautas apresentadas à ele.

Participaram do encontro diversos trabalhadores rurais na agricultura familiar, o presidente da Contag, Alberto Broch; o secretario de politica agrária da Contag, Zenildo Xavier; deputado estadual Lazinho da Fetagro; MPA; delegado federal do MDA, Genair Capelini; Rede Terra sem Males; Coocaran; secretario estadual de agricultura, Evandro Padovano; coordenador nacional do Terra Legal, Sergio Lopes; presidente do PT Estadual Padre Ton; senador Waldir Raupp; secretaria municipal de agricultura Claudia de Jesus; e o diretor executivo da Emater Luiz Gomes.

Fonte: Fetagro

Trinta e cinco famílias foram despejadas em Rondônia.

Um acampamento de sem terras vinculado ao movimento da Liga dos Camponeses Pobres foi despejado quarta feira, dia 27 de Maio de 2015.  Chamado Acampamento Cajueiro 1, tinha ocupado a Fazenda Paredão, situada na  RO 257, Km 18, zona rural do Distrito de 5º BEC, município de Machadinho do Oeste.
A informação foi divulgada pelos sites do Vale do Anari e G1. A Liga dos Camponeses Pobres (LCP) divulgou uma nota reproduzida parcialmente abaixo desta informação.

Helicoptéro foi utilizado durante a reitegração em Machadinho (Foto: Anari Notícia/Reprodução)
Foto: Anari Notícia/Reprodução
Nota recebida da LCP:
Reforma agrária falida de Lula/Dilma/PT e da (in)justiça promovem mais um despejo.

Jaru, 29 de maio de 2015.  No último dia 27, mais de 30 famílias foram despejadas do Acampamento Cajueiro 1, localizado na fazenda Paredão, na RO-257, em Machadinho D’Oeste. Participaram da ação vergonhosa policiais da PM, GOE, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, fortemente armados. Até um helicóptero esteve presente. Dois camponeses foram presos.
(...)
Há vários meses os camponeses do Acampamento Cajueiro 1, apoiados pela LCP, vinham lutando pelo sagrado direito à terra. Houve várias reuniões com o Incra e a Ouvidoria Agrária Nacional e as negociações estavam avançando. Mas nada disso foi suficiente para evitar mais um despejo absurdo.
Para os latifundiários apoio e conivência com seus crimes, para camponeses despejos, calúnias, perseguições, prisões e assassinatos de lideranças. O governo não cumpre nem a reforma agrária fajuta prevista na Constituição Federal e os camponeses são brutalmente reprimidos! 
(...)
Os camponeses estão fartos de denunciar tanta injustiça e nada acontece.
Os camponeses querem terra, não repressão!
Terra para quem nela trabalha!
Punição para os executores e mandantes de todos os crimes contra camponeses!

LCP – Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Deputado denuncia invasão de Parque Estadual de Guajará Mirim

Deputado Lazinho denuncia invasão do Parque Estadual de Guajará-Mirim
O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT), denunciou durante a Sessão da Assembleia Itinerante em Ji-Paraná na manhã de hoje (28) a invasão do Parque Estadual de Guajará-Mirim por pessoas que já possuem terras. “Estamos denunciando e pedindo providências do governo do Estado, da Sedam, e das autoridades competentes quanto a esta invasão, e adianto que não são trabalhadores Sem Terra”, disse.
O parlamentar disse que picadas estão sendo feitas nas matas da reserva e é flagrante que logo haverão derrubadas. “Procurem os sindicatos, procurem a igreja para saber o que está acontecendo”.
Lazinho também destacou a importância de projetos que serão debatidos durante a sessão, cuja autoria é dele, do deputado Ribamar Araújo (PT) e do deputado Adelino Follador (DEM). Um deles se refere à regulação da cadeia produtiva do leite, antecipando o preço mínimo do leite pelos laticínios, para que os produtores possam saber o que irão receber pelo litro do produto.
Outro projeto se refere à inclusão junto ao cadastro do Idaron da esposa do produtor, para que em caso de morte do cônjuge a família não venha a ser prejudicada, uma vez que nessas situações a liberação do patrimônio da família só após o inventário trazendo dificuldades para todos os familiares. 
Por último Lazinho citou o projeto par a criação da Semana da Agroecologia, para que possa ser discutido o modelo de produção do Estado, as produções alternativas que precisam ser reguladas para serem exercidas de forma sustentável.

Fonte: A crítica de Rondônia.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Universidade Federal de Rondônia abre vestibular para Educação no Campo


 O vestibular será destinado, prioritariamente, aos professores em exercício nas escolas do campo, que não possuem ensino superior. E também será estendido a outros profissionais da educação em exercício nas escolas do campo, professores e outros profissionais da educação que atuem nos centros de alternância ou em experiências educacionais alternativas de Educação do Campo, a jovens e adultos de comunidades do campo, que tenham o ensino médio concluído e a professores em exercício nas escolas do campo que já possuam ensino superior.

As inscrições para o Processo Seletivo 2015 deste Edital Nº 001, de 08 de maio de 2015 estarão abertas no período 16 de maio a 07 de junho de 2015 e serão efetuadas exclusivamente via internet no endereço eletrônico http://www.processoseletivo.unir.br/index.php?pag=concursos&id=124.


terça-feira, 26 de maio de 2015

Efa de Cerejeiras escolheu nova diretoria

Aconteceu no dia 16 de maio de 2015 na sede do STTR- Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Cerejeiras e Pimenteiras do Oeste-RO, Situado na Rua Nova Zelândia nº 1.214 no município de Cerejeiras – RO a  Quarta Assembleia Geral Ordinária AEFACS da Associação da Escola Família Agrícola Cone Sul. 
Contou com a participação de representantes da EMATER Cerejeiras, Vice Prefeito de Cabixi, Assessora regional do Deputado Estadual Lazinho da Fetagro, STTR de Vilhena e Chupinguaia,MPA de Colorado do Oeste e Cabixi, STTR de Cerejeiras e Pimenteiras do Oeste, ARCEPAM, STTR de Corumbiara, Prefeitura Municipal de Cerejeiras, Denise justificou a  ausência da  EFARO. 
A assembleia após dados os informes gerais sobre Reforma Politica Educação a distancia da UNIR, seminário de agroecologia de 25 a 28/05 no IFRO de Colorado do Oeste, atividades desenvolvidas pela escola como roça, construção do barracão da escola EFA e outras.
Dando continuidade na assembleia a tesoureira AEFACS senhora Denise Monteiro de Lima Silva fez a apresentação da PRESTAÇÃO DE CONTAS período 2.014/2.015, com as receitas e despesas do período, após apresentação foi aberto para discussão e aprovação da assembleia, após amplo debate foi colocado em aprovação sendo aprovado por todos e todas presente na assembleia, não havendo nenhum voto contra. Dando continuidade a tesoureira Denize falou da PREVISÃO ORÇAMENTARIA, disse que é preciso continuar com a campanha de arrecadação  as parcerias. A tesoureira apresentou o RELATÓRIO DE ATIVIDADES destacando o projeto arquitetônico da construção da escola EFA, que foi conseguido com a parceria da prefeitura municipal de Cerejeiras através do empenho do prefeito senhor Airton Gomes. Após a apresentação foi colocado em discussão e aprovação, sendo aprovado por todos e todas. 

Dando continuidade na assembleia foi lido o PLANO DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO. Após a leitura foi colocado em aprovação e discussão sendo aprovado por todos e todas. Logo foi discutido a Eleição e Posse do  Conselho Gestor. O conselho Gestor foi composto por três pessoas de cada municípios presente, com exceção de do conselho Vilhena e Chupinguaia que ira indicar na próxima reunião do conselho, Pimenteiras do  Oeste não se fez presente na assembleia.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente: FLORENTINO RODRIGUES DA MATA – Cerejeiras
Vice-Presidente: JOSÉ AUGUSTINHO DALLA COSTA – STTR de Corumbiara
Secretario: GÉSSICA RIBEIRO DE AMORIM – Assentamento Alzira Monteiro
Vice Secretario: EDILAINE SANTOS BARROS – MPA Colorado do Oeste
Tesoureiro: ROSENILDA GOMES DA SILVA SOUZA – STTR Cerejeiras
Vice Tesoureiro: CARLIN JOSÉ COELHO – MPA – Colorado do Oeste

CONSELHO FISCAL TITULAR

MARIA APARECIDA SOARES CHAVES – MPA - Cabixi
VANETE DE OLIVEIRA ALVES – MPA – Cabixi
TEÓFILO SANTANA DA SILVA – STTR - de Vilhena e Chupinguaia

SUPLENTES

ANA PAULA GUTTERRES LIMA – MPA – Colorado
DIONÍSIO MARTINS DE OLIVEIRA – ARCEPAM – Cerejeiras
JAIR INÊS DA CUNHA – MPA - Cabixi

O coordenador Luiz do MPA agradeceu a presença de todos e todas e a 4ª assembleia Geral Ordinária da AEFACS  encerrada as 12h30m do mesmo dia.

domingo, 24 de maio de 2015

Construtores do desenvolvimento social!

Palavra de Dom Moacyr Grechi – Arcebispo Emérito de Porto Velho
Matéria 473 - Edição de Domingo – 24/05/2015

Com o microfone, Dom Benedito Araújo,
bispo de Guajará Mirim e novo administrador apostólico de Porto Velho,
em 2013, na assembléia da CPT Rondônia em Porto Velho. foto cpt ro

Construtores do desenvolvimento social!

A Solenidade de Pentecostes e a Festa da Padroeira de Porto Velho, Nossa Senhora Auxiliadora, neste domingo, marcam um novo tempo de esperança.

Hoje, saudamos cada pessoa com as mesmas palavras de Jesus: “A paz esteja convosco”! Saudamos o novo Administrador Apostólico, Dom Benedito Araújo, saudamos os presbíteros e seminaristas, religiosos e missionários; saudamos de modo especial, as famílias com seus jovens e crianças, e todas as comunidades que se dirigem ao Campo da 17ª. Brigada, em caravana, romaria e procissão, para celebrar o Espírito Santo e o nascimento da Igreja missionária.

Aqui, nesta cidade abençoada e em cada comunidade ribeirinha, rural e dos municípios mais distantes, vamos renovar o mistério deste grande dia e reviver aquela mesma experiência espiritual dos primeiros discípulos, transformando este local em um grande Cenáculo. 

Inspiram nossa reflexão as palavras de João Paulo II: ao falar da “perenidade do Pentecostes” afirmava: “temos o direito, o dever e a alegria de dizer que o Pentecostes continua” e de reavivar a expectativa de uma renovada efusão do Espírito Santo. Assídua e concorde na oração com Maria, Mãe de Jesus, ela não cessa de invocar: desça o vosso Espírito, ó Senhor, e renove a face da terra (Sl 103,30)!

O lema deste ano: “O Espírito me consagrou para servir” (Lc 4,18) está em sintonia com a Campanha da Fraternidade, cujo lema é “Eu vim para servir” (Mc 10,45) e o tema “Fraternidade: Igreja e sociedade”. É também sequencia do lema de Pentecostes do ano 2014: “O Espírito do Senhor está sobre mim” (Lc 4,18-20).

Jesus confiou aos apóstolos a missão de construir o Reino de Deus no coração dos homens e mulheres deste mundo. Com a morte e ressurreição de Jesus, Deus cumpriu sua promessa de enviar o Espírito Santo (At 2,1ss). Assim, receberam a força salvadora que impele os discípulos missionários de Jesus a anunciar este Reino e a chamar as nações a fazerem parte dele (TB/CF n.138).

“Essa festa toda missionária alarga o nosso olhar para o mundo inteiro” e nos faz compreender que somos “Igreja em missão” (J.Paulo II), “missão que se encarna nas limitações humanas” e se manifesta “na sede de participação de numerosos cidadãos, que querem ser construtores do desenvolvimento social e cultural” (EG 67).

A ordem social e o seu progresso devem, pois, reverter sempre em bem das pessoas, já que a ordem das coisas deve estar subordinada à ordem das pessoas e não ao contrário; essa ordem, fundada na verdade, construída sobre a justiça e vivificada pelo amor, deve ser cada vez mais desenvolvida e, na liberdade, deve encontrar um equilíbrio cada vez mais humano. O Espírito de Deus, que dirige o curso dos tempos e renova a face da terra com admirável providência, está presente a esta evolução. E o fermento evangélico despertou e desperta no coração humano uma irreprimível exigência de dignidade (GS 26).

Ao celebrar a beatificação do arcebispo Dom Oscar Romero (23/5), assassinado em El Salvador, no dia 24 de março de 1980, fazemos memória de suas palavras: A verdadeira paz só pode ser construída sobre a justiça social. O meu trabalho consistiu em manter a esperança do meu povo. Se há um pouco de esperança, o meu dever é alimentá-la. O maior perigo diante de tanta violência é que fiquemos insensíveis. Eu tento pensar diante de Deus que um só morto representa uma grave ofensa e que, todas as vezes que um homem ou uma mulher morre, é como matar novamente Jesus Cristo. Rezo ao Espírito Santo, para que me faça caminhar nas estradas da verdade; eu sei apenas que a sua graça guia a Igreja e torna fecunda sua palavra. Confio no Espírito Santo e procuro ser seu instrumento, amando e servindo sinceramente o povo, a partir do Evangelho.

Não deixemos que nos roubem a esperança, faz um apelo o papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (n.86). Somos todos discípulos missionários. A força santificadora do Espírito atua em nós, a partir do batismo e nos impele a evangelizar. O povo de Deus é san­to em virtude desta unção, o Espírito guia-o na verdade e o conduz à salvação (EG 119; LG 12).

A nova evangelização deve implicar um novo protagonismo; cada cristão é missionário na medida em que se encontrou com o amor de Deus em Cristo Jesus; esta convicção transforma-se num apelo dirigido a cada cristão para que ninguém renuncie ao seu compromisso de evangelização, porque, se uma pessoa experimentou verdadeiramente o amor de Deus que o salva, não precisa de muito tempo de preparação para sair a anunciá-lo (EG 120).

Neste Pentecostes, “somos chamados a crescer como evangelizadores”; deixemos que os outros nos evan­gelizem constantemente; sejamos um teste­munho mais claro do Evangelho; que encontremos o modo de comunicar Jesus que cor­responda à situação em que vivemos e que hoje cada um possa reafirmar a sua fé profunda e sólida no Espírito Santo: espírito de justiça, verdade, santidade.

Assim, nos anima o papa: o teu coração sabe que a vida não é a mesma coisa sem Ele; pois bem, aquilo que descobriste, o que te aju­da a viver e te dá esperança, isso é o que deves comunicar aos outros. A nossa imperfeição não deve ser desculpa; pelo contrário, a missão é um estímulo constante para não nos acomodarmos na mediocridade, mas continuarmos a crescer. O testemunho de fé, que todo o cristão é chamado a oferecer, implica dizer como São Paulo: “Não que já o tenha alcançado ou já seja perfeito; mas corro para ver se o alcanço, lançando-me para o que vem à frente” (Fl 3,12-13; EG 121).

O Evangelho de hoje (Jo 20,19-23) tem especial significado: a comunidade recebe o mesmo Espírito que animou Jesus. Ele se apresenta no meio da comunidade e saúda: “A paz esteja com vocês!” Fortificada pela presença de Jesus, a comunidade está pronta para a mesma missão que ele recebeu: “Como o Pai me enviou, assim também eu envio vocês”. Quem vai garantir a missão da comunidade será o Espírito Santo. “Tendo falado isso, Jesus soprou sobre eles, dizendo: Recebam o Espírito Santo!” Aqui nasce a comunidade messiânica. O Espírito, então, liberta-nos de tudo o que impede a graça de Deus de atuar em nós. De agora em diante, batizados no Espírito Santo como Jesus, os cristãos têm o encargo de continuar o projeto de Deus (VP). Qual é, portanto, a missão de nossa comunidade? Mostrar onde está a vida e onde se aninha a morte; promover a vida e quebrar os mecanismos que procuram destruí-la; conscientizar as pessoas e desmascarar os interesses ocultos dos poderosos. Assim, os cristãos provocam o julgamento de Deus. Tarefa ímpar das comunidades cristãs, nem sempre fiéis a essa vocação. O que significa, por exemplo, não perdoar os pecados dos latifundiários, dos corruptos, dos políticos que utilizam o poder para defender seus interesses? Não é missão da comunidade, como não era a de Jesus, julgar os homens. Seu julgamento não é senão o de constatar e confirmar o juízo que o homem faz de si próprio diante do projeto de Deus (J. Mateos).

Com a leitura dos Atos dos Apóstolos (At 2,1-11) celebramos a nossa vocação missionária e aprendemos que a experiência de Pentecostes não se limita a um evento, é uma experiência contínua, por isso relata novas descidas do Espírito Santo, pois, o Espírito Santo sopra onde quer, sobre quem quer, em favor do Reino de Deus. Entregando seu Espírito, Deus realiza com a comunidade cristã a nova e definitiva aliança, na consecução do projeto divino, confiado agora aos que sonham com a humanidade livre de todas as formas de opressão, violência e morte. O Espírito Santo é o principal protagonista da evangelização. É quem garante a unidade da fé em Jesus Cristo na diversidade de línguas e culturas. 
Paulo Apostolo na 1ª Carta aos Coríntios (1Cor 12,3b-7.12-13)afirma que ninguém possui plenamente o Espírito; ninguém é privado dele! A comunidade é o corpo de Cristo! Em Deus não há divisão, mas harmonia. É pelo Espírito Santo que reconhecemos a Jesus Cristo como Senhor e salvador. É ele quem nos une num só corpo e distribui os dons diversos para a edificação da comunidade (VP).

De Deus provém somente o que é bom para os seus filhos. A diversidade revela a magnanimidade e a criatividade divinas. A graça de Deus não pode ser acolhida de forma egoísta. Por isso, todo dom desdobra-se em serviços concretos em favor do bem comum. Não importa o tipo de ministério, pois, sendo graça divina, todos têm a mesma importância. O que deve brilhar é o projeto comum, que, em nossa comunidade, é o mesmo projeto de Jesus. Congregados num mesmo Espírito, formamos um só corpo, somos Igreja.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Duas pessoas foram encontradas mortas próximo ao município de Buritis

Na última segunda feira (11/05/15), dois corpos foram encontrados pela Polícia Militar próximos a porteira da Fazenda Formosa, localizada na zona rural do município de Buritis. No mesmo local da fazenda encontra-se um acampamento da Liga dos Camponeses Pobres.

Os corpos dos camponeses ainda não foram identificados em função da ausência de documentos no local do crime. Segundo a Polícia Civil, que também acompanhou o chamado, um dos corpos apresentava duas perfurações nas costas e o outro corpo foi encontrado amarrado por um fio elétrico a uma motocicleta, sendo que ambos os corpos apresentavam sérias lesões indicando características de tortura cometida contra as vítimas.

Segundo o delegado Lucas Torres, os corpos estão no IML de Ariquemes (RO) e duas famílias estão a caminho da cidade para fazer o reconhecimento, conforme informações publicadas no sítio do G1 Rondônia. “Foram mortes violentas com resquícios de crueldade. Precisamos primeiro identificá-los, apurar a motivação e a autoria. Estamos investigando, mas acreditamos que os homens não eram funcionários da fazenda”, explica.

Conflito no campo

A Fazenda Formosa é cenário conhecido de conflitos agrários já há alguns anos. Nesse local já foram cumpridos mandados de reintegração de posse nessa área de terras e ainda é considerada área em litígio agrário. Há quase duas semanas, Paulo Justino Pereira foi assassinado no distrito de Rio Pardo, localizado há poucos quilômetros do local desse novo crime. Até o momento não há qualquer comunicação sobre suspeitos destes crimes

quarta-feira, 6 de maio de 2015

LUTA NO CAMPO: Ativista é assassinado em frente à associação camponesa em Rio Pardo

O distrito de Rio Pardo, localizado no município de Buritis, presenciou no dia 1.º de maio mais um assassinato de ativista na luta pelo acesso à terra. Paulo Justino Pereira, presidente da Associação Vladimir Lênin foi assassinado em frente à sede da mesma entidade. Já é o 3.º caso registrado em menos de um mês em Rondônia.

Segue a matéria veiculada na rede social do Jornal A Nova Democracia sobre o caso:

RONDÔNIA: MAIS UM ATIVISTA CAMPONÊS É ASSASSINADO EM BURITIS
Fonte: Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental - LCP
Na noite do dia 1.º de maio, Paulo Justino Pereira foi assassinado a tiros, no Projeto Rio Pardo. Ele era o presidente da Associação Vladimir Lênin. Paulo participou da reunião do dia 27 de abril, em Jaru, onde camponeses de várias áreas de Rondônia se reuniram com representantes do Incra, Eletrobrás, DER, secretaria de obras, lutando por energia, estradas e pontes, escolas nas áreas e regularização das terras dos camponeses. Ele foi o secretário desta reunião e apresentou a reivindicação de energia para as 3 mil residências do Projeto Rio Pardo, prometida há 16 anos.
Nos dias 29 e 30 de abril, Paulo participou com outros camponeses de uma reunião em Porto Velho com o Sr. Gercino José, ouvidor nacional dos latifundiários. Ele denunciou a situação de centenas de famílias de Rio Pardo, há dois anos sem solução. Como diz um boletim da Associação Lênin:
“Já fazem dois anos da desocupação violenta da Flona pelas forças armadas da presidente Dilma e do Governador Confúcio Moura. Durante esse período, nenhum tipo de assistência foi dado às famílias residentes no Rio Pardo. Das trezentas que foram desalojadas, apenas 34 foram assentadas, e de forma equivocada, em outras terras conflitosas, de propriedade do fazendeiro ‘Zoinho’. Com a morosidade do Governo Estadual em resolver o problema, as famílias já se preparam para o retorno à reserva, ‘dessa vez para ficar’”.
Paulo Justino Pereira
A reunião foi tensa e terminou sem acordo. Paulo comunicou a decisão das famílias de Rio Pardo de retomarem suas terras, e como sempre, Gercino não apresentou nenhuma solução e ainda disse: "O Sr. quer dizer que as famílias irão descumprir uma ordem?" Paulo defendeu que o velho Estado é que não cumpre o direito legal e sagrado à terra para quem nela trabalha.
Paulo Justino nasceu em Pernambuco, morou no Rio de Janeiro e veio para Rondônia para ajudar a luta camponesa, causa tão perigosa, mas tão urgente e justa. Ele deixou três filhos e três netos e será enterrado em Maceió, na manhã do dia 6 de maio.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

ABRIL VERMELHO: MST de Rondônia na luta por terras e garantia de direitos


Acontece por todo país, a Jornada Nacional de Lutas do MST, durante o “Abril Vermelho”, que rememora todos e todas que tombaram no Massacre de El Dourado dos Carajás (PA) e de Corumbiara (RO). Neste ano, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, trazem as ruas a Luta por Reforma Agrária Popular, contra o PL 4330 das terceirizações, contra a redução da maioridade penal, e em repúdio a não obrigatoriedade de rotulagem identificando alimentos transgênicos, e em apoio aos trabalhadores da educação, em greve.

As manifestações buscam dialogar com a sociedade civil, em apoio a Reforma Agrária Popular e contra o Agronegócio. Em Rondônia, durante toda a semana, realizou-se a Jornada Universitária, na UNIR, campus de Ariquemes, onde foram discutidos temas como: organização produtiva e agroecologia; desafios da Educação do Campo em Rondônia. Recheados de espaços de rodas de conversas com militantes dos movimentos sociais da Via Campesina.

Dialogando com a Jornada de Luta, no dia 30 de Abril de 2015, as 9:00 horas, iniciou-se Audiência com o INCRA em Ariquemes, com as seguintes pautas em discussão: o assentamento de todas as famílias acampadas, em 2015; a implantação e execução de crédito para habitação (construção e reforma).


Enquanto a Audiência ocorria, centenas de sem terra, assentados e acampados, se puseram em marcha. A concentração saiu do Acampamento Hugo Chávez, hoje com cerca de 200 famílias acampadas, foi criado no 8 de julho de 2013, as margens da RO 140, km 04, trecho que liga a BR 364 ao município de Cacaulândia.

O grupo marchou pela Rodovia 140, adentrando a BR 364, sentido Jaru, de forma organizada e pacífica, exigindo que fossem negociadas e encaminhadas as pautas que estavam sendo discutidas em audiência com o INCRA, e reforçando outras tantas, já discutidas em diversos espaços, como a Educação do Campo: contra o fechamento de Escolas no campo, e pela construção de escolas onde foram levantadas as demandas.

A BR 364 ficou trancada por horas neste 30 de abril, nas proximidades de um dos maiores latifúndios de Rondônia, a Fazenda Nova Vida. Seguiu-se o engarrafamento de carros, enquanto as pautas dos trabalhadores (as) eram negociadas. Somente quando o INCRA, através do Superintendente Luiz Flávio, assumiu compromissos referente a estas, e se dispôs a ir até o acampamento Hugo Chávez, repassar para todo o grupo os compromissos e encaminhamentos que serão tomados referente as pautas levantadas, é que a BR 364 foi liberada.

A Caminhada deste povo, é a caminhada por Terra, Reforma Agrária Popular urgente e necessária no nosso país.

A Jornada continua neste 1º de maio em todo o país, contra os retrocessos nas garantias e direitos sociais, conquistados com luta, sangue e suor de trabalhadores e trabalhadoras.

Lutar! Construir Reforma Agrária Popular!


Liliana Won Ancken
Agente da CPT/RO - Campanha "De Olho Aberto Para Não Virar Escravo"